sábado, 15 de abril de 2017

Mais um golfinho encalha no Litoral do Piauí, não resiste e morre


Animal encalhou na noite dessa quinta-feira (13), foi socorrido, mas morreu. Este é o segundo golfinho encontrado encalhado em menos de um mês no estado. 

Mais um golfinho morreu após encalhar nas praias de Luís Correia, Litoral do Piauí. Desta vez, o animal conhecido como cabeça-de-melão, da espécie Peponocephala Electra, foi encontrado na noite dessa quinta-feira (13) por banhistas na Praia do Coqueiro e chegou a ser levado por profissionais do Instituto Tartarugas do Delta para uma área de piscina natural, onde recebeu alimentação e a aplicação de antibióticos e vermifugação.

Apesar do socorro, ele não resistiu e veio a óbito na manhã desta sexta-feira (14). De acordo com informações da bióloga Verlane Magalhães, o golfinho apresentou alguns sintomas de cansaço e dificuldade de mergulho, com quadro clínico de característico de pneumonia.

"Ele permaneceu em observação para determinar se está apto a voltar para o mar. Estamos periodicamente aplicando medicamentos e antes de fazer o exame de sangue para diagnosticar a doença o animal morreu", contou.
Golfinho foi encontrado vivo e chegou a ser socorrido (Foto: Arquivo Pessoal/Instituto Tartarugas do Delta)
É o segundo golfinho que encalha em menos de um mês no litoral piauiense. No mês passado, um animal da espécie Stenella Atenuatta encalhou e morreu na Praia do Arrombado. A causa da morte não foi identificada, mas o golfinho tinha algumas marcas de mordida de predadores e pode ter se desorientado.

"Quando eles chegam próximo à costa, ficam presos e a população quer ajudar. O problema é que o excesso de pessoas pode estressar o animal e piorar a situação, causando a morte", explicou a bióloga Verlane Magalhães.

Para evitar finais como o do mês passado, é preciso ter atenção as observações de especialistas. A bióloga Verlane destacou a necessidade de manter o animal calmo e chamar imediatamente uma equipe de proteção ambiental.

"O mais adequado nessas situações é cavar na área da barriga e da nadadeira para que o golfinho sinta mais liberdade e se acalme. Também é importante hidratar o animal e, se for de dia, proporcionar sombra e evitar barulho para que o quadro do animal não piore e venha a óbito", concluiu.

Fonte: G1| Edição: Jornal

Nenhum comentário :