sexta-feira, 20 de abril de 2018

Adolescente de 13 anos é primeiro caso confirmado de H1N1 em Teresina


Com a confirmação do primeiro caso de Influenza A (vírus H1N1) em Teresina, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) alerta para as complicações que a doença pode levar como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Uma adolescente de 13 anos está internada em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Urgência de Teresina (HUT) e ela tem asma crônica. 

Teresina notificou 39 casos de SRAG em 2018. Destes, 15 deram negativo para Influenza e 19 confirmados para outros vírus. Quatro estão aguardando resultado de exames laboratoriais para saber qual vírus provocou a síndrome respiratória.  

O caso confirmado é de uma adolescente, de 13 anos, que está em uma ala isolada do Hospital de Urgência de Teresina (HUT) com o vírus da gripe H1N1. O estado é gravíssimo e ela está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde o dia 13 de abril. 
"Essa paciente é gravíssima porque ela pegou essa doença no pulmão, mas ela já tem o pulmão comprometido porque é portadora de asma crônica. Então, mesmo já inciado o tratamento ela ainda é considerada uma paciente grave", informou o diretor do HUT, médico Gilberto Albuquerque, que destacou que esse é o primeiro caso confirmado da doença a ser registrada no hospital e que não existe o risco do vírus ser transmitido para outras pessoas.

Dr. Gilberto explicou que a paciente fez uso por mais de cinco dias de um medicamento que inibe a transmissão do vírus para outras pessoas.

De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde (Sesapi), a confirmação do caso ocorreu ontem(19) em parceria com a Fundação Municipal de Saúde (FMS) e que a  paciente de 13 anos está respirando com ventilação mecânica e o quadro é estável.

Ela foi encaminhada à unidade de referência após dar entrada no hospital do Buenos Aires, zona Norte de Teresina. A adolescente reside no bairro Alto Alegre também na zona Norte. 

Vacinação é importante

A Influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. É de elevada transmissibilidade e distribuição global, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais e também podendo causar pandemias. 

“A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém-contaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto a boca, olhos, nariz”, explica a diretora de Vigilância em Saúde da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Amariles Borba.

A FMS informa que está preparando seus profissionais para o tratamento da SRAG e complicações decorrentes da influenza. Na manhã de hoje (20), estiveram reunidos os médicos dos hospitais públicos e privados do município, além dos diretores clínicos e responsáveis pelos núcleos de epidemiologia destes locais, para uma atualização sobre o manejo da doença. 

“É um alerta para os casos de h1n1 que ocorre todos os anos. Estamos orientando sobre a conduta do atendimento em casos de SRAG e incentivando o tratamento com a medicação sintomática e o antiviral fornecido pelo SUS”, explica a gerente de epidemiologia da FMS Amparo Salmito. 

A FMS alerta toda a população que esteja dentro do público alvo para que não deixe de se imunizar, pois são pessoas mais suscetíveis a complicações que levam à SRAG. “Lembramos que estes casos ocorrem entre indivíduos pertencentes aos grupos de risco, por isso, pedimos a todos que não deixem de se vacinar. A vacina reduz as complicações que podem produzir casos graves da doença, internações ou, até mesmo, óbitos”, diz Amariles Borba.

Um total de 190 mil pessoas deverão ser vacinadas contra a influenza, também conhecida como gripe. A campanha de vacinação começa próxima segunda-feira (23) e segue até o dia 1º de junho, com doses disponíveis em todas as 104 salas de vacina do município.

“Já recebemos 42 mil doses de vacina e vamos receber mais na próxima semana”, informa a diretora de Vigilância em Saúde da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Amariles Borba.

Amarilis Borba, alerta que a maneira mais eficaz de evitar essa doença é com a prevenção.  “A medida mais eficaz de proteger é com a vacina, e depois dela vem os cuidados pessoais diários, que nós temos que ter como praticar a lavagem das mãos, principalmente, de crianças e idosos. A prevenção tem que ser um ato do dia a dia. Se a pessoa já está gripada é preciso que se hidrade”.

NOTA DA SESAPI

A Secretaria de Estado da Saúde confirma um caso de Influenza A H1N1, de uma paciente residente em Teresina. A confirmação ocorreu ontem, 19, num trabalho conjunto com a Fundação Municipal de Saúde. A paciente de 13 anos tem co-morbidade associada, pneumopatia crônica, está internada em UTI, com ventilação mecânica e estável (sic). 

De acordo com o diretor de Vigilância e Atenção à Saúde(DUVAS), Herlon Guimarães, o caso foi confirmado laboratorialmente, por PCR (exame que mede a proteína C reativa), e a paciente está sendo medicada com Tamiflu, terapêutica adotada conforme protocolo clínico para H1N1. Ele afirma também que são disponibilizadas 20.500 unidades do medicamento, que já estão nas unidades hospitalares da rede estadual e municipal.

Campanha de Vacinação

A Secretaria de Estado da Saúde inicia a partir do dia 23 de abril a 20ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza (H1N1). A Campanha acontece até 1º de junho de 2018 e o dia D é 12 de maio.  No Piauí, estimam-se vacinar aproximadamente 800 mil pessoas. A população deve procurar os postos de vacinação dos seus municípios.

Público a ser vacinado:
Pessoas com 60 anos ou mais de idade;
Crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade (quatro anos, 11 meses e 29 dias);
Gestantes;
Puérperas;
Trabalhadores da saúde;
Povos indígenas;
Grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais(como o caso da adolescente);
Professores das escolas públicas e privadas;Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
População privada de liberdade;
Funcionários do sistema prisional.

Influenza A (H1N1)

A influenza ou gripe é uma infecção aguda do sistema respiratório, ocasionada pelo vírus influenza, com elevado potencial de transmissão. Inicia-se com febre, dor muscular, e tosse seca. Em geral, tem evolução por período limitado, em geral de um a quatro dias, mas pode se apresentar forma grave.

A gripe propaga-se facilmente e é responsável por elevadas taxas de hospitalização. Idosos, crianças, gestantes e pessoas com doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, ou imunodeficiência são mais vulneráveis aos vírus. Um indivíduo pode contrair a gripe várias vezes ao longo da vida.

Os 10 sintomas mais importantes que esta gripe pode provocar, e que diferenciam esta doenças da gripe comum, são::

- Febre repentina que supera os 38° C;
- Tosse intensa;
- Dor de cabeça constante;
- Dor nas articulações e nos músculos;
- Falta de apetite;
- Calafrios frequentes;
- Nariz entupido, espirros e falta de ar;
- Náuseas e vômitos
- Diarreia;
- Mal estar geral.

Caroline Oliveira e Carliene Carpaso - Cidadeverde.com | 

Nenhum comentário :